Importância de tratamentos em clínicas de recuperação

Seu portal de Saúde e Bem Estar

Importância de tratamentos em clínicas de recuperação

Os tratamentos com os dependentes químicos avançou muito nas últimas décadas. Até meados da década de 1960, a dependência não era vista como uma doença, mas como uma falha de caráter.

Por conta disso, quem sofria deste mal não contava com suporte algum: era enviado a uma clinica psiquiatrica e não recebia nenhum cuidado especial.

Vale ressaltar que, nesta época, estes locais tinham como objetivo ocultar elementos indesejados da sociedade, não promover a recuperação dos internos.

Atualmente, apesar de este mal ser formalmente reconhecido como uma doença, o preconceito permanece.

No Brasil e no mundo, um dependente de drogas, bem como um alcoólatra, ainda é visto como uma pessoa com caráter fraco, que se entrega deliberadamente a esta situação.

Por conta disso, é fundamental que a população se conscientize e saiba que, por mais que a dependência não tenha cura, ela pode ser perfeitamente controlada.

Apesar da força de vontade do doente ser indiscutivelmente fundamental, a internação em um estabelecimento especializado, como uma clínica de reabilitação para drogados, também é de grande valia. Confira, a seguir, alguns diferenciais destes locais:

Há tratamentos para a saúde mental

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a dependência química é uma doença mental, progressiva e crônica.

Como tal, requer o tratamento adequado para seu controle.

Além disso, estudos apontam que este mal está conectado a muitos outros, principalmente os mentais, como a ansiedade e o transtorno bipolar. Por conta disso, é muito comum que o dependente também apresente sintomas de depressão, por exemplo.

O primeiro diferencial das clínicas de recuperação é que estes estabelecimentos contam com uma equipe de psicólogos e psiquiatras, devidamente treinados para ajudar os pacientes a controlar seu problema.

Além de terapia individual e em grupo, em alguns casos podem ser prescritos medicamentos, como ansiolíticos e antidepressivos.

É possível fazer uma abordagem interdisciplinar

Apesar de o tratamento para a saúde mental ser apontado como fundamental por profissionais da área, ele, por si só, não é suficiente.

Pelo contrário, o mais indicado é haver uma abordagem multidisciplinar, que envolva as mais diversas áreas da saúde.

Um bom exemplo disso são as crises de abstinência, que acontecem à medida que o corpo se desintoxica.

É importante que haja médicos e enfermeiros por perto para ajudar o dependente a lidar com os sintomas, como dores e enjoos.

Em alguns casos, até mesmo terapias alternativas podem ser uma opção.

A acupuntura para depressão, por exemplo, tem se mostrado uma maneira eficaz de auxiliar no controle da doença.

A recuperação acontece em um ambiente controlado

O processo de desintoxicar o corpo, fundamental para a recuperação de dependentes químicos, não é nada fácil. À medida que a substância em questão deixa o organismo, o doente pode passar por sintomas como:

  • Insônia;
  • Irritabilidade;
  • Tremedeira;
  • Alucinações.

Em casos mais graves, é possível que haja até mesmo quadros de convulsões, derrames cerebrais ou ataques cardíacos.

Por conta deste risco, é muito importante que os sintomas da abstinência sejam acompanhados por profissionais da área da saúde, que atuarão prontamente caso notem algum risco à vida do doente.

Caso isto aconteça em outro local, como na casa do paciente, o tempo perdido entre a detecção dos sintomas e a atenção médica pode ser, literalmente, fatal.

Além disso, é muito importante que os pacientes cumpram uma rotina sem maiores sobressaltos, em um ambiente controlado.

Isso ajuda com sua estabilidade emocional, que é muito importante para tomar as rédeas da dependência.

Convivência com outros dependentes

Controlar um quadro de dependência química é sempre um desafio, tanto para o doente quanto para as pessoas que convivem com ele.

Por conta disso, o ideal é que todos os envolvidos contem com algum tipo de apoio psicológico ao passar pelo processo.

As casas de recuperação em sp, assim como instituições localizadas em outros estados, abrigam muitos pacientes por vez.

Deste modo, há um ambiente propício para troca de experiências e apoio mútuo, o que torna o processo de recuperação mais suave.

Do mesmo modo, alguns estabelecimentos também oferecem grupos de conversa e terapia coletiva para familiares e amigos dos pacientes.

Assim, estas pessoas, cruciais no processo de controle da dependência química, também podem trocar experiências e apoiar-se umas às outras.

Deste modo, os doentes contam com uma rede de apoio mais sólida, aumentando as chances de que sua recuperação seja bem sucedida.

 

2 comentários

  1. fabio disse:

    Muito bom seu artigo, parabéns pelas informações

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *