Três recomendações essenciais para empregos de alto risco

Seu portal de Saúde e Bem Estar

Três recomendações essenciais para empregos de alto risco

O Perfil Profissiográfico Previdenciário (PPP) é um documento exigido conforme a Lei nº 8.213/91 e também está prevista no Regulamento da Previdência Social, conforme o Decreto nº 3.048/99.

Essa exigência consiste em um formulário composto e instituído pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Esse conjunto de dados e informações preenchidos visam detalhar sobre o tempo em que o empregado contribuiu em serviço para a empresa.

O laudo ppp é, portanto, o laudo que reúne todas as informações necessárias para a feitura do documento histórico-laboral, ou seja, ao período trabalhista do empregado. Esse laudo apresenta, principalmente, informações sobre:

  • Dados administrativos;
  • Aspectos sobre o local onde era exercido o trabalho;
  • Os serviços realizados;
  • O tempo que desenvolveu cada função ou cada cargo, bem como o tempo total em que contribui com a empresa;
  • Os registros ambientais;
  • Os resultados e análise sobre a monitoração biológica.

Esses dois últimos quesitos – registros ambientais e resultado e análise sobre a monitoração biológica – é a avaliação feita a fim de registrar se há exposição à agentes nocivos, químicos, físicos ou biológicos.

Em caso afirmativo, os dados são responsáveis por definir, estabelecer a intensidade e quantificar o nível de concentração desses agentes.

Além desta exposição, o laudo averigua se os empregadores são expostos a agentes que prejudicam a saúde ou a integridade física deles.

Esse laudo sobre o histórico laboral dos funcionários, desde 2004, deve ser feito em qualquer empresa, independente do seu porte e da quantidade de funcionários.

Para a aquisição da aposentadoria especial, por exemplo, ele é requisito único e obrigatório. Este tipo de aposentadoria é concedido aos empregadores expostos à agentes nocivos acima do limite estabelecido pela legislação.

Com 15, 20 ou 25 anos de contribuição empregatícia é possível receber essa aposentadoria. Os anos são de acordo aos agentes nocivos e a exposição contínua e ininterrupta a eles.

O laudo servirá como meio de prova para possíveis ações na justiça trabalhista, além desenvolver e definir medidas de segurança do trabalho.

O laudo PPP é assinado por um representante legal da empresa empregadora

A cirurgia de cabeça e pescoço é uma especialidade médica desenvolvida para auxiliar na prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de procedimentos cirúrgicos relacionados a tumores benignos e tumores malignos na:

  • Região da tireoide (em geral, ocorre nessa área o hipotireoidismo);
  • Região da face;
  • Região das fossas nasais (as duas cavidades paralelas do nariz, que compreende as narinas até a faringe);
  • Região dos seios paranasais (localizado entre os ossos do crânio e face);
  • Região da boca;
  • Região da faringe e laringe;
  • Glândulas salivares;
  • Tecidos moles do pescoço;
  • Paratireóide (localizada na área atrás da tireóide);
  • Região do couro cabeludo.

Todos esses procedimentos podem – e devem – ser realizados pelo Cirurgião de Pescoço e Cabeça. Ele é o responsável qualificado para essa especialidade através da formação na área que dura dois anos.

No entanto, o pré-requisito estabelecido para cursar essa especialidade cirúrgica é a formação prévia em cirurgia geral. Mesmo que esteja localizada na mesma região, o cirurgião da área de cabeça e pescoço não é o profissional indicado para a prevenção.

O diagnóstico, o tratamento e a reabilitação de patologias relacionadas aos tumores do cérebro – ou qualquer região condizente ao sistema nervoso – e nem as doenças relacionadas a coluna cervical.

A máscara autônoma tem possibilita a respiração em situações de alto risco

A máscara autônoma é um dos aparatos de segurança estabelecido pelo Equipamento de Proteção Individual – mais conhecido pela sigla epi – definido pela Norma Regulamentadora Nº6 (NR-06) do Ministério do Trabalho e Empregos (MTE).

Essa máscara se trata de um equipamento para proteção respiratória e integridade do indivíduo quando este é exposto em situações de alto risco como, por exemplo, combate de incêndios – principalmente em locais de tamanho reduzido que armazenam um alto nível de fumaça e que dificultam a circulação do oxigênio.

Essa máscara é acoplada em um cilindro de ar que é carregado nas costas – como uma espécie de mochila com duas alças. É um aparato com manuseio prático e fundamental para profissionais como os do Corpo de Bombeiros e que também pode ser utilizada por equipes de salvamento.

Ambas categorias utilizam essa máscara para evitar a inalação de gás e vapor tóxico no momento do resgate. Por isso, deve ser adquirido em empresas regulamentadas e que sigam às normas e especializações do equipamento.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *