Entenda as diferenças entre 3 modelos de aparelhos auditivos

Seu portal de Saúde e Bem Estar

Entenda as diferenças entre 3 modelos de aparelhos auditivos

Uma pesquisa feita em 2016 pelo IBGE aponta que cerca de 15 milhões pessoas possuem deficiência auditiva total ou parcial.

A surdez é provocada pela má formação genética dos ouvidos ou por acidentes que comprometam a estrutura do canal auditivo, ela pode atingir apenas um lado do ouvido, chamada surdez unilateral, ou os dois lados do ouvido, que é a surdez bilateral.

Quando uma pessoa não consegue ouvir abaixo dos 90 decibéis, como um concerto de música clássica, por exemplo, são considerados casos de surdez severa.

Cerca de 350 mil pessoas possuem a surdez severa no Brasil, normalmente quando a pessoa já nasce com esse tipo de deficiência ela apresenta dificuldades na linguagem oral.

Entenda como funcionam os aparelhos auditivos

aparelhos auditivos novos que podem auxiliar pessoas, em caso de surdez severa, ajudando no entendimento de sons de alta frequência, acoplando aparelhos auditivos na orelha combinados à microfones externos. Isso não vai garantir que a pessoa volte a ouvir novamente, mas barulho, como a buzina, pode ser captado, gerando uma segurança a mais para o usuário.

As estruturas que compõem nosso aparelho auditivo são tão frágeis a ponto de não se regenerarem, cada vez que ultrapassamos o volume máximo de 80 dB, os cílios (célula que compõe a cóclea do nosso ouvido são parecidos com pelos que se movem com as vibrações do som), são eliminados um a um, a ponto de desaparecer provocando assim a surdez.

Causas da perda auditiva e como identificar os sintomas

Não é só o fator hereditário congênito (quando nascemos com ela), que é responsável pela surdez, a exposição dos ouvidos à barulhos e ruídos muito altos, durante muito tempo, pode ocasionar a surdez.

Assim como a surdez pode não ser congênita, pode ser que o ouvido tenha alguma obstrução na cóclea e, por algum motivo, o som não esteja sendo captado pelo ouvido, seja por muito tempo de trabalho exercido, onde os limites de som ultrapassem os 80 dB, seja por inflamações, abscessos de gorduras, traumas ou simplesmente excesso de cera na “concha” interna dos ouvidos.

Por isso, o serviço da fonoaudiologia é tão importante e deve ser consultado assim que a pessoa começar a sentir os primeiros sintomas:

  • Um zumbido incessante no aparelho auditivo;
  • Dificuldade de ouvir o que os outros dizem;
  • Quando pessoas próximas dizem a você que você não escuta muito bem;
  • Dificuldade de identificar de onde o som está vindo.

Apenas um fonoaudiólogo poderá fazer testes para diagnosticar o seu caso de surdez e indicar o aparelho auditivo ideal para seu caso.

Os aparelhos são modernos, confortáveis e, além de tudo, podem ajudá-lo a retomar a qualidade de vida.

Há três tipos de aparelhos básicos, o que usamos atrás da orelha BTE (Behind The Ear), os que são acoplados internamente à orelha ITC (In The Canal), e com receptores RIC (Received In Canal).

ITC, In The Canal:

São quase imperceptíveis, o aparelho auditivo intracanal ou ITC (In The Canal), é indicado para pessoas com grau leve a moderado, de captação do som, o volume poder ser ajustado pelo usuário, ele possui sua diferenciação pelo fato de seu formato anatômico se acoplar em sua maior proporção, dentro da orelha, ficando muito discreto externamente.

BTE, Behind the ear:

Podem ser encontrados em muitos tamanhos e em níveis diferentes de amplificação pra diferentes casos de surdez, os componentes eletrônicos se encontram atrás da orelha, conectados a um tubo de silicone, captando o som pelos captadores elétricos e os transmitindo por meio do tubo auricular ao canal interno da orelha, é um dos modelos mais antigos, e é indicado para casos leves a profundos, de surdez.

RIC:

O RIC, ou aparelho auditivo receptor no canal, como é popularmente conhecido, é o mais usado e um dos mais modernos, ele também fica alojado atrás da orelha e é menor do que o aparelho BTE. Ele se difere por possuir um receptor que pode variar de tamanho e de formato, o qual pode ser ajustado para maior captação de som.

Além desse aparelho ser moderno e discreto pode ser uma opção mais vantajosa por causa da sua potência.

Com o passar do tempo, nossa capacidade auditiva vai se esvaindo com a chegada dos 30 aos 40 anos, e consequentemente aos 80 anos de idade a capacidade auditiva está drasticamente afetada.

É comum em todo organismo humano o envelhecimento das células, mas é preciso tomar cuidado, para que os efeitos somáticos dos ruídos não aceleram esse processo de envelhecimento, como ouvir os aparelhos de áudio no volume médio e adotar o uso de EPIs em trabalhos onde o barulho constante possa prejudicar o canal auditivo.

Em aparelhos de mp3 deve-se atentar-se a não ultrapassar o volume médio para que não cause danos ao seu ouvido, ao sentir um zumbido no ouvido consulte um médico para que a deficiência não se torne progressiva.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *